Fashion Shows

Coleção Feminina Primavera/Verão 2010

A Parede Como Narrativa Regenerativa

O público é dividido ao longo dos dois lados de uma parede abstrata. Sete portas são abertas na parede em intervalos regulares, permitindo que os espectadores olhem de um lado para o outro.

As modelos caminham em frente à parede e giram em torno dela até sua última abertura. Como alternativa, eles aparecem e desaparecem por trás de sua superfície, ou caminham na frente do público.

A parede divide dois espaços idênticos e diferentes ao mesmo tempo: o piso xadrez de acrílico de um lado se relaciona com o outro lado, onde os ladrilhos de chapas de metal preto criam um xadrez maior em combinação com o concreto liso da sala original.

A parede regenera sua identidade através de uma sequência de doze projeções. São imagens de corredores imaginários.

As portas reais da parede tornam-se portas de espaços mentais que combinam as estruturas ricas e clássicas dos grandes hotéis, as luzes neon, atmosferas abandonadas e estranhas, ou imagens brilhantes de praias lotadas. O resultado é uma sequência de configurações indefiníveis que se seguem ao longo do desfile, enquadrando modelos em cenários em constante mudança.

À medida que o desfile se desenvolve, os espectadores vivem as várias camadas da configuração: modelos em primeiro plano, projeções de parede e modelos ao fundo. Três camadas de conteúdo se sobrepõem e geram a narrativa completa do desfile.

Créditos: OMA/AMO